Buscar
  • Joni Galvão

Lições do mestre Robert McKee (a essência de sua abordagem)


Li um artigo do The Guardian, que traz uma polêmica em cima do "endeusamento" do McKee em relação a sua posição. Como ser fosse o "Aristóteles dos tempos atuais". Eu nfiz uma complilação e tirei a conotação da polêmica, trazendo aquilo que é a essência do que aprendi com ele, e que foi um ponto de virada sem volta pra mim.


Segue...


Robert McKee, ensina escrita criativa por 30 anos. Seus seminários já atraíram mais de 60 vencedores do Oscar.


Uma das principais diferenças entre humanos e animais é que contamos compulsivamente histórias – para nós mesmos e para os outros.


O chamado "Deus da História" vem explicando sua teoria de como e por que narrativas dramáticas emergem por 35 anos, para o fascínio de dramaturgos e roteiristas. Seus ex-alunos reuniram até agora 60 vitórias no Oscar, incluindo, entre muitos outros, William Goldman (Butch Cassidy e o Sundance Kid) Paul Haggis, Peter Jackson, John Cleese (que participou do seminário Story três vezes) e toda a equipe de redação da Pixar.

McKee foi um dos inventores da linguagem de Hollywood com conceitos como "ponto de virada irreversível", "incidente incitante", "negation of the negation" (muito melhor em inglês), uma frase que se originou com Hegel, mas nos filmes significa algo como "o máximo do negativo": um herói caído que não é meramente derrotado, mas quando ele quer morrer, ai sim. Ou um personagem que não simplesmente perde a fé em Deus, mas começa a odiar a Deus. São exemplos do “negation of the negation”. Entre muitos outros.


Com sua sobrancelha amedrontadora e seu estilo peculiar, ele tem inclusive os seus "Dez Mandamentos de uma história", que incluem "Não facilitará a vida para o protagonista" e "Você deve levar a história para a profundidade e amplitude da experiência humana".


McKee é rígido sobre manter a ordem e a cronometragem nos seus seminários. Ele deixa claro que se você chegar atrasado, você não será admitido. Se você usar um celular, você será multado. Se você o usar mais de uma vez você será excluído. Há uma multa de 10 dólares por atender o celular.


Ele começa fazendo algumas declarações bastante grandiosas: "O que fazemos como contadores de histórias é crucial para o sucesso de nossa espécie no planeta"... "Todas as histórias dizem como e por que a vida muda. Elas nos equipam para viver." Ele coloca questões cruciais no início de suas palestras: "O que é uma história? O que todas as culturas e gêneros de história têm em comum?", e passa os próximos três dias tentando respondê-las, começando com essa sugestão:

"Todas as histórias têm a mesma forma universal. Não é fórmula. Não há fórmula. Mas é como dizer que a forma da música é notavelmente simples – apenas 12 notas em uma escala."

Sua visão fundamental diz respeito à relação entre contar histórias e a psique humana – como uma história é estruturada basicamente reflete como uma mente humana, e uma vida humana, é estruturada.


Cada momento vivido é um evento que acontece em vários níveis – interpessoal, interno, social, institucional.


O drama, para ele, surge quando fazemos "escolhas carregadas de valor sob pressão". É através dessas escolhas que descobrimos quem somos – já que todos nós vivemos sob máscaras, que escondem nossos “eus” dos outros, e até mesmo de nós mesmos. Cada momento vivido da vida humana é um evento multicamadas que ocorre em vários níveis diferentes – interpessoal, interno, social, institucional. História, então, é o mar em que todos nós nadamos, na tentativa de cortarmos os pedaços chatos da vida. Na história nada avança, exceto através de conflitos, e histórias são metáforas para a vida, elas explicam a vida como em nenhuma manifestação artística – porque estar vivo é estar em conflito perpétuo.


Para entender como McKee realmente fala é necessário usar itálico extensivamente, como ele constantemente enfatiza.


"Desenhar uma história significa escolhas – extraindo da vida, o essencial. Uma história é uma série de eventos que foram escolhidos e então compostos. Como compor música. Cada nota no seu lugar compondo uma harmonia e melodia de perfeição única”


"Um evento é uma escolha significativa; ou seja, uma escolha com um algum valor em jogo. Os valores estão no centro da narrativa. Eles são binários da experiência humana, positivo ou negativo, verdade e mentiras, amor e ódio, guerra e paz – todos são binários. Eles mudam a carga constantemente. Um evento – em termos de história – equivale a uma mudança significativa na condição de valor da vida de um personagem, alcançada através de conflitos."


Se a língua de McKee está em seu rosto, ela é forte. Mas sua capacidade de nos fazer perceber com força e clareza é assustadora.


Ao final do terceiro dia, quando termina sua desconstrução cena por cena de Casablanca, ele canta, com uma voz um pouco trêmula, a melodia tema do filme, "As Time Goes By". Essa canção, ele acredita, aponta para a mensagem subjacente do filme, a tensão entre Ser e Tornar - ou seja, a ideia de se apegar ao que é permanente dentro de você enquanto você é forçado a uma mudança incessante pela circunstância.


"Você pode ter os dois – se você aprender a amar. E isso é o que eu desejo a todos vocês.”


Com essas palavras, o seminário de três dias é concluído. Ele prontamente recebe uma ovação de pé de toda a plateia.


McKee traz um dos conceitos centrais de seu repertório:

"No filme, há essa constante ironia da expectativa de não atender resultado. Desse ponto de virada vem o oposto – um ponto de virada para melhor. Em seguida, o positivo muda para o negativo quase automaticamente. Não é à toa que os primitivos acreditavam na mão invisível, porque essa dinâmica é tão implacável", diz McKee. "Focamos na história em momentos em que a vida é interessante ... quando o mundo reage de uma forma que, em retrospectiva, você acha que deveria ter previsto. Os seres humanos têm imaginação e isso faz com que a merda realmente atinja o ventilador. Porque você também tem instintos animais. Portanto, você tem conflitos internos. Não é só o mundo que não reage como você espera: você não reage do jeito que você espera."


Mais...

"Todo escritor é um escritor de gênero. Se você não conhece o gênero, o público conhece. Não existe essa coisa de história sem gênero.”


Qualquer coisa que coloque significado e beleza no mundo na forma de história ajuda as pessoas a viver com mais paz e propósito


"A vida é absurda. Mas há uma coisa puramente significativa, uma coisa indiscutível. A escrita fina ajuda a aliviar esse sofrimento – e qualquer coisa que coloque significado e beleza no mundo na forma de história, ajuda as pessoas a viver com mais paz, propósito e equilíbrio. Isso tudo vale profundamente a pena."

Agora, acho que vocês entendem quando eu afirmo que me transformei quando conheci McKee e virei seu representante no Brasil com o curso Story Business Edition.


Feliz 2022. Com seus altos e baixos, desejo que chegue no final do ano vitorioso(a).


Joni Galvão

Fundador e CEO da The Plot


13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo