Buscar
  • The Plot Company

Storytelling Pixar: Descubra como envolver a sua audiência.

A PIXAR é conhecida como um estúdio que surpreende a cada lançamento. De Toy Story a SOUL, ela consegue atingir adultos e crianças. O que poucos sabem é que a estrutura por trás de todos os filmes é a mesma. E o que muda é a trama, ou seja, como cada evento acontece na linha do tempo do arco da história.


Todo filme começa com um risco emocional. Um personagem que é obrigado a sair de sua zona de conforto. Algo que acontece na nossa vida, ou pelo menos, deveria! É o Woody tendo que conviver com o Buzz e defender o seu favoritismo.


É o Joe, em Soul, que vai para o mundo do além da vida e quer voltar para cumprir sua missão na terra. É Miguel, em Viva, a Vida é uma Festa, que vai até o mundo dos mortos em busca de respostas para suas muitas perguntas.


Todos os protagonistas têm um aprendizado para cumprir. E ao final de cada história, independente de trágico ou feliz, o protagonista está transformado.


Todos esses personagens espelham a nossa vida, pois só crescemos quando somos obrigados a enfrentar novos mundos, que estão longe da nossa zona de conforto. O COVID que veio para nos ensinar isso.


A trama por trás do Storytelling da Pixar


Se a PIXAR colocasse um rato tentando cozinhar em um esgoto poderia até ser original, mas não necessariamente interessante ou dramático. Mas se você está escrevendo sobre um rato tentando cozinhar em um restaurante gourmet, perguntas surgem e nos fazem prestar a atenção: Como ele entra no restaurante? Como ele pode tornar isso uma rotina? O que pode acontecer quando alguém ver? O que acontece quando descobrirem que um rato é o melhor de todos? Tudo isso leva a caminhos da trama que são ricos para o roteirista e quem agradece é audiência.


Os filmes da PIXAR são um espelho da vida. Um personagem numa situação desconfortável é obrigado a trabalhar duro para voltar à sua zona de conforto, assim como nós fazemos na vida real.


Esse desejo impulsiona ações, decisões e emoções, que são o combustível da história. O conceito de "brinquedos que estão realmente vivos" de Toy Story é interessante mas não é suficiente para nos prender a atenção. Mas quando o conceito evolui para "brinquedo favorito é substituído por um brinquedo mais novo e brilhante", ai o bicho começa a pegar.


A chegada de Buzz Lightyear acaba completamente com o status natural de Woody como o brinquedo favorito de Andy. As reações de Woody a este evento acabam enviando-o em uma aventura selvagem que o leva a situações extremamente desconfortáveis: perdido por seu dono e preso no porão de Sid. A popularidade de Buzz é a pior coisa que poderia ter acontecido com Woody.


E assim, trazendo o ´pior que poderia acontecer´ que a PIXAR leva seus personagens para o fundo do poço obrigando cada um deles a ser brilhante e muito mais forte que as forças antagônicas.


E essas premissas acontecem para todos os filmes, seguindo a mesma estrutura de atos e arco da história. Neste sentido, todos os filmes são iguais no seu formato e o que as diferencia é a trama, o PLOT! Nome da nossa empresa, não por acaso, ☺


A história ensina. A trama entretém.


13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo