Buscar
  • The Plot Company

Storytelling La Casa de Papel: O que ela nos ensina sobre a vida

A série LA CASA DE PAPEL foi um sucesso em todo o mundo. Qual é a explicação para um fenômeno que nem os próprios autores esperavam?



A expectativa para a Parte 3 desta história foi uma das maiores já criadas no mundo do entretenimento na TV. Podemos aprender muito com esta história, afinal, um dos conceitos mais interessantes sobre o que é uma boa história, para mim é:

"Uma boa história nos ensina algo sobre a vida e nos equipa para vivermos melhor a nossa."

Alguns motivos "escondidos" que fazem desta série um sucesso e justifica que ela seja uma metáfora para a vida:


1) A TEMÁTICA


Podemos dizer que é uma série policial sobre um grupo de pessoas que resolvem assaltar a casa da moeda. Isso seria a "superfície".


Mas o que realmente faz com que as pessoas se conectem com a história não é o gênero ou essa descrição óbvia. O que está escondido mas que faz toda a diferença é a ideia de que o mundo vive uma série de injustiças e que o "mau" muitas vezes está em quem tem o poder.





Portanto, um grupo de pessoas que tiveram uma vida difícil e nunca foram reconhecidos pelos seus talentos, buscam a valorização do que eles possuem nas suas verdadeiras personalidades.


Isso explica o processo de identificação, que é quando nós torcemos por algum personagem mesmo com ele fazendo algo que pode parecer "errado".


2) A REVELAÇÃO DO VERDADEIRO PERSONAGEM


Existe uma grande diferença entre quem somos aparentemente e quem somos de verdade. Em qualquer situação da vida, quando somos colocados sob pressão, nosso caráter é revelado e as máscaras caem.


Relacionamentos entre casais que começam numa paixão e acabam numa confusão, geralmente é explicado pelas atitudes que cada um tem nos momentos mais difíceis. Um processo de seleção em empresas, conhecemos a superfície da pessoa.


Quando o "bicho pega" elas são reveladas. E ai temos uma surpresa, positiva ou negativa.

Nesta série, que é multiprotagonista (vários protagonistas com um só desejo), conhecemos os personagens e suas angústias e vamos acompanhando a transformação de cada um na medida em que os perrengues aparecem e eles são obrigados a se revelarem.


Denver, que parecia ser um assassino frio e cruel, revela uma faceta de humildade e cuidado pelo outro. Tokio que busca a liberdade a qualquer custo, mostra em uma de suas facetas que o amor pode também libertar.





Com todos os defeitos que temos, também somos bons e buscamos nos comportar com uma intenção positiva. Todos os personagens se revelam e vão se transformando ao longo da série. E isso é o que queremos ver pois também somos assim.


Nossa vida é uma constante busca pela autenticidade e estamos o tempo todo querendo encontrar a verdade dentro da gente.


3) DESEJO CONSCIENTE E INCONSCIENTE


Nenhuma história vai pra frente sem desejo. É ele que move a vida. Mas muitas vezes o que está aparente não é o que realmente queremos ou precisamos. Existem duas formas de olharmos para um protagonista.


Ele QUER algo e ele PRECISA de algo. São duas motivações que levam a trama para caminhos completamente distintos. Eliot, do ET, queria um amigo. Mas para isso ele PRECISAVA entender o que "o outro" quer e vivenciar a empatia em sua vida.


Portanto, o filme ET é sobre um menino que "aprende a reconhecer que o outro existe". Essa é a sua verdadeira necessidade. Conseguindo isso, então ele seria capaz de ter o que ele QUERIA, ou seja, um amigo.




Nesta série, o desejo consciente aparece quando o Professor apresenta o plano do atraco. QUEREMOS fazer um atraco a casa da moeda. Só que para isso acontecer eles deveria sair como heróis. E aí começamos a entender o que eles realmente PRECISAVAM.


Todos tinham que lidar com seus conflitos internos, para então se transformarem e conseguirem ser vistos como heróis, e admirados pela opinião pública e por eles mesmos.


Esse é o desejo inconsciente: Reconhecimento de que fizeram algo pela sociedade trazendo justiça para um modelo repleto de injustiças.


4) VALOR UNIVERSAL


Um dos valores que está em jogo nesta série é justiça/injustiça. É uma realidade universal. Independente da cultura, credo ou modelo de governança, todos os cidadãos buscam a sensação de que estão vivendo numa sociedade justa.


Valor universal é o que permeia toda boa história. Se ele é fraco ou inexistente, temos um filme ou série que não vai muito longe pois não vai segurar a atenção das pessoas.





Nós nos preocupamos quando os protagonistas correm risco de não conseguirem o que querem e precisam. Mesmo que estes estejam fazendo algo "violento".


'O Podersoso Chefão" é admirado pelo valor de lealdade a família. Ele mata gente! Mas isso é um detalhe que no mundo ficcional nós aceitamos pois a causa principal é legítima e verdadeira.


La Casa de Papel: a parte 3


A 3a Temporada segue com os mesmos valores só que ainda mais fortes. É uma continuação justificada pela história e não somente pela audiência.


Muitas séries morrem em suas continuações pois o tema se esgota e os produtores insistem na sua história pois ela deu muito certo. Eles devem saber a hora de parar e deixar a audiência plenamente satisfeita com o que "fim" da história.





Para evitar SPOILERS paro por aqui. E fica uma questão para você pensar: Suas histórias abordam valores universais com protagonistas fortes que se transformam de verdade?


Meu sonho é que as história no mundo corporativo tenham sempre esta abordagem. E ao final de uma reunião a audiência pensa: "Caramba, não vejo a hora de participar da próxima pois esta trama está muito interessante."

3 visualizações

Joni Galvão - Todos os direitos reservados